Transporte de carga terrestre: como funciona o seguro?

05/ 05/ 2020

Você sabe como funciona o seguro do transporte de cargas terrestres para as transportadoras? Bom, na verdade, a contratação de um seguro de cargas é muito importante, principalmente porque garante o cumprimento da legislação, gera mais segurança e a certeza de que, caso ocorra algum prejuízo em virtude de sinistros, os valores serão ressarcidos e os danos reparados aos clientes.

No entanto, é preciso entender quais são as modalidades do seguro. E é justamente isso que este artigo vai abordar.

Acompanhe!

Quais são os seguros de carga de responsabilidade do transportador rodoviário?

Existem dois tipos de seguro no transporte de cargas terrestre: o seguro de responsabilidade civil do transportador rodoviário de carga (RCTR-C) e o seguro facultativo (RCF-DC).

Mas o que isso quer dizer?

Seguro Obrigatório

Conforme os decretos nº 73/1966 e nº 61.867/1967, o seguro de responsabilidade civil do transportador rodoviário de carga (RCTR-C) é obrigatório para transportadoras.

Este seguro acoberta prejuízos causados aos produtos transportados, quando há acidente rodoviário envolvendo o veículo, como, por exemplo:

  • Colisão;
  • Capotagem;
  • Incêndio/Explosão do veículo durante o transporte;
  • Incêndio/Explosão durante a permanência das mercadorias em armazéns utilizados pela transportadora;
  • Tombamento;

Seguro Facultativo

O que é seguro RCF-DC? É a abreviação para a expressão: Responsabilidade Civil Facultativa por desaparecimento/desvio de carga.

O seguro facultativo, como o próprio nome diz, não é obrigatório, porém é usualmente contratado pelas empresas de transporte de cargas.

Sua cobertura é válida quando ocorre o desaparecimento da carga, juntamente com o veículo, mediante grave ameaça, por motivos como:

  • Roubo;
  • Furto;
  • Sequestro;
  • Apropriação indébita

É importante ressaltar que as apólices de seguro exigem das transportadoras de carga o gerenciamento de risco para cada tipo de mercadoria.

O ressarcimento é feito conforme o valor declarado em Nota Fiscal.

Gerenciamento de Risco

O seguro é fundamental e garante a indenização no caso de algum sinistro. No entanto, ele não é a única maneira de proteger a carga.

Para que o seguro tenha cobertura da carga, a empresa responsável pelo transporte deverá avaliar as características das mesmas e cumprir com os procedimentos da apólice, que pode ser desde um caminhão monitorado, até mesmo a necessidade de escolta.

Contratar uma transportadora com experiência no assunto, munida de equipamentos tecnológicos, sistema de monitoramento, rastreamento remoto e planejamento da rota, pode reduzir bastante as chances de extravios.

Além disso, outros aliados importantes aos recursos tecnológicos são a prudência do motorista e a manutenção da frota, que, por sinal, são fatores essenciais para diminuição de problemas e acidentes.

Por isso, antes de contratar uma transportadora para carregar seus bens, avalie se ela segue esses parâmetros listados acima.

Afinal, com todos os desafios enfrentados no transporte de mercadorias no país, é imprescindível se proteger e buscar minimizar os danos e os riscos aos quais a modalidade é expostas.

Qual o prazo para receber a indenização do seguro para cargas?

O prazo médio para pagamento da indenização é de 30 dias. Este prazo varia de acordo com o contrato de cada empresa.

Porém, o período começa a ser contado somente a partir do momento em que a documentação prevista na apólice é entregue à seguradora.

Existem diferenças entre seguro de transporte de cargas e do veículo?

Esta é uma dúvida comum na hora de contratar um seguro. Porém, é importante que o consumidor entenda que o seguro do transporte de cargas terrestre protege apenas os produtos transportados.

 Já para o cuidado do veículo, é preciso contratar um seguro para automóvel.

Pois na iminência de um roubo do caminhão com cargas, caso ambos não sejam recuperados, você só receberá indenização equivalente ao que você contratou na apólice.

Ou seja, se contratou seguro de cargas, vai receber o valor referente às cargas, mas não terá indenização em relação ao veículo.

Gostou de saber quais são os tipos de seguro do transporte de cargas terrestre? Veja mais em nosso blog!

Leia Também


O que é B2B?

As expressões B2B e B2C determinam o tipo de cliente para o qual um produto ou serviço é destinado. No caso do B2B (Business to Business), as transações são feitas entre duas empresas. Ou seja, uma empresa que presta serviço ou vende algo para outra. Já o B2C (Business to Commerce) a venda é feita para o consumidor final, tendo como objetivo apenas o consumo. 

Para o modelo B2B pode-se definir como um negócio de empresa para empresa, em que uma é o fornecedor e a outra é o cliente. O principal fator que difere o que é B2B do modelo B2C está justamente no tipo de cliente que adquire o produto ou serviço. A escolha entre B2B ou B2C é de extrema importância, pois determina ainda quais serão as estratégias adotadas para estabelecer um relacionamento com os clientes e aumentar as vendas. 

Quando se trata do transporte, podemos encontrar algumas diferenças para as empresas que trabalham com um tipo de modelo ou com o outro. 

  • Os transportes em B2B geralmente ocorrem levando-se em consideração um certo nível de “urgência” para atendimento aos clientes. Isto ocorre devido a possibilidade da entrega do pedido dentro do prazo ser um requisito para que a produção do cliente não seja interrompida por falta de materiais. A modalidade business to business possui uma tendência para pedidos maiores no formato de lotação. Porém, entende-se também que o transporte de cargas fracionadas para o B2B possa ser uma modalidade interessante para que as empresas facilitem os processos de entregas, ainda mais com cargas que não ocupam todo espaço do veículo. Isso facilitará o sistema de distribuição de suas mercadorias de modo a reduzir os seus respectivos custos e mantendo-se toda a qualidade e segurança necessária. Vale lembrar que uma das mais relevantes vantagens do transporte de cargas fracionadas refere-se aos custos dos fretes nessa modalidade, que por sua vez, costumam ser mais em conta dado que os mesmos são divididos entre os clientes que estão sendo atendidos, diminuindo assim, os custos das operações.
  • Os transportes em B2C trabalham, na maioria das vezes, com cargas de pequeno porte e em maior número. Este fato torna possível o aproveitamento da melhor forma a capacidade da frota, destinando mais de um veículo para a realização das entregas. Dessa forma, os fretes podem ser diferenciados em fracionados ou enquadrados na modalidade lotação, ambos buscando a forma mais eficaz para a otimização da operação. 

Devido a estas diferenças, não podemos definir um modelo de transporte “único” que seja o ideal para cada um destes dois tipos de atendimento. No caso dos modelos B2B, em cada tipo de negócio existem particularidades relacionadas ao tipo de produto, atendimento, demanda, especificações técnicas e necessidade de reposição que deverão ser levados em consideração no momento da opção do tipo de transporte. Por sua vez, o modelo B2C, apesar de ter uma tendência para atuação com modelos de transportes fracionados, também poderá optar por transportes via lotação de acordo com as especificações do transporte a ser realizado.

A Picorelli Transportes possui foco no atendimento ao mercado B2B. Se sua empresa precisa de prazo e comprometimento, veja nossas cidades atendidas pelo nosso site e entre em contato! 

Fonte:

BSOFT, Confira o que é o modelo de distribuição B2B e suas especificações; Disponível em: https://bsoft.com.br/blog/distribuicao-b2b/Acesso em 02 de maio de 2021

Você sabe o que é cubagem e como calcular?

No Brasil existem diversos tipos de veículos de transportes de cargas, desde veículos urbanos (VUC), até caminhões de grande porte. Porém, para gerar mais proteção para os motoristas, pedestres e para as cargas, o CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito) determinou a capacidade máxima que cada veículo pode transportar.  Essa limitação de peso, bem como o espaço físico disponível nos veículos, torna-se um dos grandes desafios das transportadoras na atualidade. Existem diversos casos em que há mercadorias volumosas e com pouco peso, e, aquelas que são menores, porém pesadas. Encontrar o “ponto ótimo” de carga da   frota é uma atividade muitas vezes complexa. Para auxiliar a encontrar este ponto ideal, podemos elucidar o processo de CUBAGEM das cargas. A cubagem é fundamental para identificar qual a capacidade disponível em um veículo e, ao mesmo tempo, quais são suas limitações em peso e volume.

O objetivo principal do processo de cubagem é conseguir planejar melhor a etapa de carregamento, considerando pontos essenciais para evitar que o veículo seja carregado com uma carga muito volumosa, mas de baixo peso ou que se tenha muitos volumes pequenos, mas muito pesados. Nestes casos, você estaria desperdiçando a capacidade de carga (peso) do veículo ou mesmo deixando de aproveitar um espaço (volume) considerável dentro dele.

Além disso, a cubagem é uma ferramenta muito importante para a composição do valor do frete. Um dos principais componentes de precificação é o peso da mercadoria. Porém, quando uma mercadoria for muito leve e ocupa um espaço muito grande, se o preço cobrado for somente através do peso, o valor do frete poderia não compensar para a transportadora, pois essa carga ocuparia um espaço onde  poderiam ser alocadas diversas outras mercadorias mais pesadas, e, consequentemente com maior valor de frete. Por isso, a cubagem é uma ferramenta muito importante para ajudar a resolver este tipo de problema, por exemplo. Através dela é possível converter o espaço ocupado por uma mercadoria em peso.

Mas como calcular a cubagem de cargas?
Para chegar no valor ideal da sua cubagem de cargas, é necessário realizar um cálculo matemático utilizando o “fator de cubagem”.

O “Fator de Cubagem” é o termo que denomina  um valor e que ao ser multiplicado pelo volume da carga, resulta no peso cubado – que é a transformação do espaço ocupado por uma mercadoria em kg.

 Ainda não ficou muito claro? Então vamos exemplificar:

Supondo que você queira determinar o fator de cubagem de uma carreta que tenha capacidade de 30 toneladas, com um baú de 100m³, o fator de cubagem se daria pela seguinte fórmula:

* Fator de Cubagem = Peso (kg) / Volume (m³)

No nosso exemplo, o Fator de Cubagem = 30.000 (kg) / 100(m³), resultando em 300kg por m³.

Ok, mas o que isso significa? Significa que cada m³ do seu caminhão equivale a 300kg.

Dessa forma, ao chegar uma mercadoria volumosa e leve, podemos converter o espaço que ela ocupa em peso.

Este fator de 300km/m³ é o padrão utilizado no transporte rodoviário de cargas.

Ainda confuso? Vamos para mais um exemplo então.

Mas antes disso, é importante definirmos um conceito fundamental: O cálculo do volume. O volume nada mais é do que a Largura (m) x Altura (m) x Comprimento (m). Sugiro inserir a imagem da caixa, para exemplificar. Conforme fizemos no post e e-mail).

Agora sim podemos ir para o nosso exemplo. Supondo que seja necessário transportar uma mercadoria que o peso na balança é de 400kg. Porém, ela tem as seguintes dimensões: 

  • Altura: 1m 
  • Largura 1m
  • Altura: 2m 

Como vimos anteriormente, o cálculo do volume se dará por 1m x1m x 2m, resultando em 2m³. 

Sabendo que cada m³ de espaço do seu caminhão equivale a 300kg, logo, chegamos à conclusão que essa carga teria um peso cubado de 600kg.

De forma matemática, podemos descrever o peso cubado como sendo:

Peso Cubado = Volume (m³) x Fator de Cubagem (kg/m³)

Observe que o peso cubado da mercadoria é maior do que o seu peso real. Porém, nem sempre isso irá ocorrer, como é o caso de caixas com papel.

* Um ponto de atenção é na observação das unidades de medida do volume. É necessário verificar se as unidades do peso (gramas, quilos ou toneladas) e das dimensões (centímetros ou metros) estão todas em conformidade antes do cálculo ser realizado. 

Vale lembrar que será possível empregar o fator de cubagem, tanto no transporte de carga lotação, quanto no transporte de carga fracionada. 

Financeiramente falando, a cubagem e o peso cubado são variáveis fundamentais no cálculo dos custos de transporte de uma empresa. O que determina a aplicação no cálculo do frete é o tipo de produto que será transportado. Para efeito da composição do frete, será utilizado o maior valor encontrado entre o Peso Real e o Peso cubado. Além disso, vale lembrar que cada modal possui um fator de cubagem diferente, dada a diferença da capacidade de carga de cada meio (rodoviário, aéreo, marítimo, etc). Os mais comuns no meio rodoviário são de 1m³ = 300kg.

A Picorelli Transportes está há 90 anos no mercado, sendo especializada no transporte de cargas fracionadas, urgentes e lotação. Possuímos uma frota diversificada, atendendo aos mais variados tipos de mercadorias.



2021 Picorelli Transportes. É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a autorização escrita da Picorelli Transportes.